segunda-feira, 18 de maio de 2015

Potinho


"Se eu pudesse, te guardava em um potinho!"
Essa declaração do meu Lobo Adolescente me causou uma sensação tão gostosa!
Potinho? Minha imaginação criou asas...
Primeiro veio a sensação de proteção, onde eu estaria seguro, guardado em um local bem longe das mãos e olhos alheios, envolto pela aura do meu Lobo que é terna, quente e aconchegante.
Em um segundo momento consegui viajar por minha perversão submissa, onde seria obrigado a viver só em função dos seus desejos, obedecendo suas ordens se não quisesse ser castigado por se um Chapeuzinho mal comportado... Até visualizei uma cena com direito a coleira, algemas, chicote e vendas... ou quem sabe um belo trançado de bondage?
Enfim, levando para algo cotidiano, me imaginei morando futuramente em uma casa com meu Lobo, tendo uma vida relativamente normal, onde cuido da casa, faço comida, desenvolvo meus trabalhos pela internet, tenho contato com o mundo via redes sociais (bem próximo do que é minha vida hoje), mas o detalhe mais importante seria que só ele, sim, só ele teria a chave de nossa casa. Não esqueça que essa casa seria o meu "potinho" da vida real.
Ali eu poderia agrupar a realidade com minhas fantasias e ainda vivenciar toda essa necessidade de proteção, carinho e segurança que tanto anseio. Sentiria a posse que ele diz ter de forma concreta e isso me faria feliz!
Vivenciei na Terra do Nunca a minha fantasia por uns três dias, tão feliz com meu potinho!

Tudo Que é Frágil, Uma Hora Quebra


Sabe que não dá para brincar com loucos, porque levamos tudo a sério demais?
Eu estava encantado com  a ideia singela de ser simplesmente guardado, retirado do mundo real e ser transportado para algum lugar especial somente para ele. Ri sozinho algumas vezes durante aqueles dias.
"Vai mesmo me guardar em um potinho?"
Pergunta boba. Era só mesmo para ver ele rindo e dizer: "Claro que vou". O problema que a resposta veio diferente do que eu esperava...
"Lógico que não. Isso é crime!"
Ainda insisti, tentando uma roupagem diferente a minha pergunta, mas a resposta era praticamente a mesma... Era como se eu estivesse vendo meu potinho rodopiar pela mesa, lançando-se ao chão e partido em mil pedacinhos!!
Como ele pode fazer isso se meu coração estava ali dentro?! Não foi descuido, porque eu insisti na pergunta!! Ele não se importava?! Não tinha percebido que era importante?!
Meu lado racional dizia que aquilo era loucura e que a metáfora do potinho era uma graça, mas que não tinha um significado prático e muito menos real.
Quem disse que meu lado racional ganha alguma briga com meu lado emocional?
Eu já estava arrasado, praticamente aos prantos porque ele tinha me tirado algo que nem fazia ideia que tinha me dado, que criei a partir de uma frase aleatória! Meu peito apertou, senti a garganta fechar e um som oco se instalou nos meus ouvidos... não acredito que quase tive uma crise de ansiedade por tão pouco!!
Nessas horas que percebo que meu emocional é mesmo uma montanha russa e que ele ainda guarda pontos extremamente frágeis.
Falar a verdade, nem sei bem o que reclamei ou como falei com ele, mas um estalo colocou as coisas no lugar!
"Calma, Gabriel... Eu te dou outro de presente, com a tampa e lacinhos vermelhos."
Como assim?! Meu mundo simplesmente desacelerou e parou por um segundo! Nem eu acreditei que a solução para o meu problema era simples como "ganhar outro potinho" com tampa vermelha, lacinhos vermelhos... só porque sou seu "chapeuzinho"...
Eu me senti tão ridículo, mas tão confortável ao mesmo tempo! Como ele pode entender algo que nem eu sei por onde começa?!
É certo que a dor do meu primeiro potinho quebrado não vai passar assim, até mesmo porque, provavelmente, ele nunca mais vai tocar no assunto... e minha visualização, infelizmente,  meio que se desfez. A magia rompeu e isso ainda dói, porém, a crise passou quando ele disse que me dava outro de presente.
Moral da história? Estou apaixonado por alguém que tenta me entender até mesmo na minha loucura, que se esforça para me ver bem e feliz, mesmo quando eu surto com algo completamente surreal! Dá pra ser mais feliz que isso?