quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Entre Ursos e Lobos

Como Chapeuzinho Vermelho, andei tanto tempo pela floresta, balançando minhas cestas de doces para tentar chamar a atenção do meu Lobo Mau, mas sem nenhum resultado satisfatório naquela época, que desaprendi até ser caça.
O máximo que eu podia contar nas minhas andanças era ser observado pelo Lobo Ranzinza, mas que a muito tempo não caçava Chapeuzinhos, mas sim os Ursos. Essa atenção nem me causava arrepios, pois de Lobos que não me enxergam melhor e Príncipes que só sabem o que fazer até o momento de conquista, eu já ando sem paciência.

"Pela estrada a fora eu vou bem sozinho..."


Sonhar faz mal?
Lembra daquela imensa capacidade do meu coração sempre meter os pés pelas mãos?
Foi exatamente isso que aconteceu quando derrapei e dei de cara com um Urso grande, forte e lindo... mas o Lobo Ranzinza estava mesmo por perto e os dois se entenderam rapidamente. Voltei pra casa com a sensação que, independentemente de capas vermelhas, eu deveria parar de andar na floresta, porque ali não existe nada pra mim mesmo.
Parece que faz tanto tempo que ninguém me chama a atenção e que os cacos que recolhi do meu coração ainda estão quebrados dentro do mesmo potinho que guardei. Mesmo não sendo pra mim, não consegui deixar de ficar encantado com aquele Urso. Quanto tempo que não sentia uma certa moleza nas pernas só de olhar para um homem daquele tamanho? 
Simpático, agradável, inteligente, galanteador, bonito, manipulador e com traços de dominador... Ferrou tudo! Nem que eu tivesse me esforçado muito, eu teria condições de esconder que me encantei por ele. Ao ponto da gente ter uma longa conversa e ele deixar claro que era amizade.
Minha tão conhecida friendzone... porém coisas atípicas andam acontecendo. Mesmo sendo amizade a gente se paquera,  conversamos o dia todo e ele já sabe coisas demais da minha vida. Eu só sei que sua presença me faz bem.
Primeiro eu sinto, depois racionalizo. Não quero racionalizar agora em relação a este urso, só sentir.