quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Role Player

Essa semana levei bronca da minha psicóloga por não estar postando nada desde o final de outubro. Na verdade, não tive muita vontade de escrever nos últimos tempos, talvez por não estar nem tão feliz nem tão triste. Aquele momento letárgico onde você simplesmente não tem nada pra falar.
Novo Avatar - Takao Kazunari
 O que andei fazendo de bom nesse período, foi ter conhecido a Nana-chan, uma fujoshi (termo japonês usado para identificar mulheres fãs de mangá com relacionamento homossexual masculino), que adora Role Players.
Para esclarecer o que vem a ser o Role Player, trata-se de um jogo onde basicamente as pessoas interpretam e interagem, fingindo ser outra pessoa. Já vi algumas páginas no Facebook, onde esse tipo de jogo é bem comum e como o gênero que mais gosto é o Yaoi (mangas e animes com a temática Gay) deixo aqui o link para um grupo de lá.
Não nego que passar todo esse tempo jogando com a Nana foi uma experiência muito boa e que dei boas risadas, principalmente por meus amigos me zoarem com o fato de estar jogando com uma mulher.
Brincadeiras a parte, me senti exercitando a imaginação para algo além do cinza que vinha vivendo nos últimos meses. Jogando, também redescobri algo importante ao meu respeito. O cansaço a respeito da versatilidade sexual.
Eu me envolvi demais com pessoas que se aproximaram de mim, sabendo que eu sou passivo, mas que no decorrer do relacionamento se mostraram mais passivas que eu. Depois que você já está envolvido com a pessoa, seu intuito é de agradá-la e fazê-la feliz, mesmo que pra isso você vá contra a algumas predileções suas.
Depois do término do meu ultimo relacionamento, até conheci pessoas maravilhosas, mas que consegui deixar minha carência de lado, olhar a longo prazo e ver que um relacionamento com alguém com as mesmas predileções que as minhas jamais funcionaria por muito tempo.
Também senti vontade de trocar meu gélido Avatar branco, por Takao Kazunari, que é mais leve, colorido, sorridente e determinado. Não conheço a personalidade do personagem, pois não assisti o anime, ma utilizei ele em um Role com a Nana-chan e descobri traços da minha personalidade no personagem que criei. Acabei me afeiçoando a ele e agora estou assumindo essa fase desvinculada de alguns erros antigos.
Nesse momento, entraria a segunda parte do post, mas vou separá-lo em dois para não misturar os assuntos.