sábado, 17 de outubro de 2015

Mudo? Uhm...

Essa semana me falaram que eu devia me relacionar com alguém que soubesse LIBRAS. "Você sabe, imaginar que as pessoas tenham paciência em esperar você escrever em um bloco de notas... Hoje em dia, as pessoas não tem paciência pra nada."
Vamos por partes? Acredito que a maioria das pessoas que usam a linguagem brasileira de sinais (LIBRAS) são as pessoas com deficiência, professores de LIBRAS, familiares e amigos daqueles que tem a necessidade de utilizar-se dessa linguagem. Acho meio estranho imaginar que a maioria (note bem a palavra maioria) das pessoas vá aprender LIBRAS e depois saiam procurando quem se utilizem dessa linguagem para serem seus amigos, namorados, parentes ou algo do gênero.
Acredito que o processo seja assim, você tem um bebê que nasce surdo ou mudo e vai aprender LIBRAS pra se comunicar com ele; você conhece alguém interessante e vai aprender LIBRAS para facilitar a comunicação entre vocês e finalmente, você acha essa linguagem apaixonante, quer aprender e acaba conhecendo varias pessoas que também utilizam-se de LIBRAS.
Nota-se que no parágrafo acima eu escrevi surdo "OU" mudo, pois essa história de achar que a pessoa surda é necessariamente muda, já está bem ultrapassada, não é mesmo? Os deficientes auditivos encontram dificuldade em articular as palavras por não ouvi-las, o que dificulta o processo de aprendizagem em falar. O que não significa que eles tenham problemas nas pregas vocais e que não consigam emitir sons.
No meu caso, eu escuto muito bem, mas sou mudo. As pessoas a minha volta podem falar comigo normalmente, mandar áudio pelas redes sociais e mandar música. Está bem, parece óbvio o que estou citando, mas acredite, tem gente que ainda trava nessas coisas quando eu comento que sou mudo. Também existem aqueles que se afastam por esse motivo, mas isso é outra história.
A princípio eu nem comentava que era mudo, mas comecei esbarrar na história do "manda áudio" e principalmente no fato de quererem me ligar. Quando eu comentava dessa minha deficiência, dizendo que esse era o motivo de eu não atender as ligações ou de não mandar áudios, muitos acabavam nem acreditando, achando que era uma desculpa esfarrapada.
Inclusive cheguei a ouvir um comentário sobre ninguém conhecer alguém que fosse mudo e que existiam pessoas "surdas e mudas", mas só mudas não. Ignorância a parte, vou voltar para o assunto que originou meu post.

Namore com alguém que saiba LIBRAS


"Oi, tudo bem? Você sabe LIBRAS? Não? Que pena, não posso gostar de você."
"Oi, tudo bem? Você é mudo? Que pena, não posso gostar de você."
Pra mim, as duas situações parecem surreais, mas infelizmente, a segunda é mais comum.
Quer saber? Namore com alguém que não seja preconceituoso. Alguém que se depare com uma situação nova e pare pra refletir, pois sei que determinados "pré-conceitos" estão incutidos em nós, mas o bom é que somos seres pensantes e temos o poder de decidir fazer diferente daquilo que nos ensinaram como sendo "o certo".
Enfim, vou namorar com alguém que tenha afinidades comigo, que me aceite exatamente como sou, que seja um cara muito legal, que eu goste dele e que goste de mim. Se ele não souber LIBRAS e nosso relacionamento sair do virtual, com certeza ele vai aprender. Não porque ele vai sair correndo para fazer um curso, mas porque ele vai estar interessado em conversar comigo e aprender vai ser tão natural quanto querer me beijar.