sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Saudades!


Meu nome escrito por Nico - um grande amigo!
Hoje eu acordei com uma saudade incrível!
Senti falta da pessoa que eu era, dos sonhos que eu tinha, daquela vontade de viver todos os dias!
Quando eu era mais novo, acreditava que encontraria alguém especial e que seria feliz simplesmente pelo fato de ter alguém que gostasse de mim, assim do jeito que eu sempre fui.
Saudades de ver o sol brilhando e pegar meu skate para descer a rua. Sensação de liberdade!!
Saudades de ver a chuva caindo, correr para o quintal e simplesmente me molhar naquela água fria.
Saudades de voar alto em meus pensamentos e ver o mundo pequenino aos meus pés.
Eu era tão feliz em cima da minha bicicleta...
Tenho saudades das coisas que não vivi, de tudo aquilo que planejei mas não realizei e, principalmente, da forma que eu via a vida. Não queria voltar no tempo, mas queria ter motivos para não precisar de ter saudades do meu passado.

Durante um tempo que eu considero longo, vivi uma letargia sentimental, como se dentro do meu peito só houvesse mesmo um aparelho para bombear sangue pelo corpo. Eu considerava uma espécie de traição, a pior delas, a forma que fui tratado pelo homem que amei e achava impossível gostar de uma outra pessoa novamente. Confiar em alguém a ponto de acreditar que essa pessoa poderia me apoiar ou me proteger? Proteger do que? Dela mesma?

Enfim, eu me apeguei na solidão, fiz de mim mesmo uma boa companhia e estava bem até as coisas desandarem. Passei tempo demais fingindo que não precisava gostar de ninguém, então acabei enfiando os pés pelas mãos quando meu coração transbordou o sentimento reprimido.
Quando um dos pratos da balança está em desequilíbrio, ele vai oscilando até as coisas entrarem nos eixos. Acredito que foi isso o que aconteceu comigo. Agora preciso, de maneira mais consciente, colocar as coisas em seus devidos lugares.

Cada vez que eu baixo a guarda, acabo me machucando. Deixei de subentender que determinadas palavras querem dizer alguma coisa, pois tenho amigos que me chamam de anjo, de príncipe, de gato e até de paixão, mas é exatamente isso, elas não passam de palavras...
Um outro amigo me disse que não costuma falar quando gosta das pessoas, mas que ele procura agir de forma a demonstrar isso. É exatamente o que eu preciso, menos palavras e mais demonstrações.

Tudo tem seu tempo e minha pressa acabou. Estou usando esse momento para deixar meu coração cicatrizar, meus sentimentos se assentarem e eu aprender a viver um pouco melhor comigo mesmo. Superei o final de um relacionamento, mas não superei determinadas coisas que ouvi. Ainda estou com medo de machucar as pessoas que gosto, tento não sufocar e não depender delas mais do que o razoável. Um dia depois do outro, vou seguindo em frente.