segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Reveses

Esses meses foram bem complicados. Nem vou falar do meu pai, porque a esse respeito você já sabe. Ele continua com as sessões de hemodiálise, deprimido da vida, mas tentando seguir, apenas seguir.
Mas o assunto agora é outro. Nesse mesmo período, minha avó materna resolveu sair da sua cidade do interior e fazer um tour familiar. Passou uma semana na casa de um, dez dias na casa do outro, cozinhou para todo mundo, contou seus "causos" e foi tudo muito bom. Só eu que sou pessimista e que já estou meio acostumado a apanhar da vida que imaginei que aquilo tinha cara de despedida.
Não falei nada para ninguém, mas ver minha avó fazendo algo tão atípico quanto sair e visitar os filhos e netos me deixou meio preocupado. Não deu nem duas semanas que ela voltou pra casa e lá veio a notícia que ela estava internada na UTI do hospital na cidade que ela mora.
"Bora" fazer as malas correndo e sair as pressas para uma viagem de 6 horas. Chegamos a noite, mas mesmo assim minha mãe foi direto para o hospital.
Período complicado, mas no final deu tudo certo. Em duas semanas ela já estava em casa, dizendo que estava pronta para outra... A idade dela requer cuidados especiais por si só e coração não é brincadeira, mas saímos de lá com a sensação que ela vai viver por mais oitenta e poucos anos.
É certo que não lidei bem com tudo que andou acontecendo e até demorou para certas coisas explodirem na minha cabeça. Dia a dia aprendendo a lidar com sentimentos e reveses da vida, mas confesso que não é mesmo nada fácil. Aos que me lêem, desculpem a ausência, mas ainda estou engatinhando na vida, aprendendo mesmo em como seguir em frente.

Agosto


O mês está começando. Esse não é um bom mês para mim, nunca foi, mas tenho certeza que esse ciclo está para ser rompido e tenho bons motivos para acreditar nisso. As pessoas que amo levaram alguns escorregões, mas levantaram. Posso acreditar que eu tenho condições de seguir em frente, principalmente porque hoje eu tenho objetivos a concretizar. Preciso preparar meu caminho para chegar até quem amo e, apesar de ter tempo suficiente para fazer tudo que é necessário, sei que se não der o primeiro passo, nada acontece. Como diz vovó: "O caminho a gente faz caminhando."
"Bora" pegar a estrada de novo? Só que dessa vez é pra vida.