quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Ativos e Passivos

A primeira coisa que a maioria das pessoas querem saber quando você diz que é gay, é se você é ativo ou passivo. Acredite, sua mãe, irmãos, amigos e o boy que está te olhando do outro lado da rua, querem saber qual sua preferência na hora do sexo.
Sim, é uma pergunta invasiva. Não gosto que qualquer pessoa se sinta no direito de falar a respeito disso comigo, como se fosse algo normal e corriqueiro ela saber exatamente esse detalhe da minha vida. A maioria dos gays que eu conheço também não gostam.
Existem uns estereótipos bem furados nesse quesito, como por exemplo o gay que tem pelo no peito e usa barba ou ao menos um bigode. Nem todos são ativos.
Já percebi que dentro do próprio meio as pessoas também tem um certo preconceito.
Já conheci vários ativos que, no final das contas, queriam mesmo era ser o passivo em nossa relação. Tudo bem, sou versátil e a posição é o que menos importa nessas horas, mas se imaginei que a diversão ia seguir uma vertente, acabei tendo que mudar a postura. É difícil se aceitar quando todo mundo a sua volta te julga, mas é mais fácil mentir pra eles do que pra si próprio.

Quem toma a iniciativa?


Fala sério! Nem em uma relação heterossexual as pessoas esperam que seja o homem a tomar a iniciativa, quanto mais impor regras quando a relação ocorre entre dois homens. Toma iniciativa quem tem personalidade (ou coragem) pra isso.
As pessoas que me conhecem, inclusive você que lê meu blog, sabe que tenho uma personalidade mais tímida e que geralmente prefiro ser a presa, mas até eu já cansei dessa postura.
Esperar as pessoas falarem comigo já me rendeu muito tempo de solidão e estou a fim de viver um pouco.