sábado, 26 de outubro de 2013

Dando Vexame!

Eu estava tão mal ontem, que eu não queria jogar toda minha frustração nas mãos da Tai. Ela estaria lá para me ouvir e aconselhar, mas também não é justo com ela.
Já disse que a Tai é uma flor? Linda, maravilhosa, amiga, fofa e puxa a orelha quando precisa? Só pessoas especiais conseguem dizer o que você tem que ouvir, no lugar do que você quer ouvir, sem te machucar. Ela é assim. Se eu gostasse de mulher, me apaixonaria perdidamente por ela, mas nem tudo é perfeito, então quero ser amigo da Tai até ficar velhinho (bicha velha? Aff!).

Meu pai tinha passado em casa para levar a Amanda para o FDS na casa dele. Minha mãe baladeira, saiu com as amigas, pois sexta-feira a noite, só eu (o viadinho surtado), fico em casa para fazer drama e chorar tudo que nem tenho direito.

Tenho dois amigos, Ramon (de plantão), Clarinha (namorando), então me resta incomodar minha prima de todas as horas, mas ela não atendeu minha tímida ligação... Três toques e como ela não retornou com mensagem, não insisti...

De repente recebi um SMS do meu primo, perguntando se poderia passar em casa para deixar uns documentos para minha mãe assinar. Ele é advogado, contador, administrador ou sei lá o que e está cuidando de umas coisas para ela.

Certo, ele ia deixar os documentos e ir embora. Respondi a mensagem e fiquei esperando o interfone tocar. Passei água na cara para disfarçar o choro, respirei fundo algumas vezes e coloquei minha cara de paisagem para atendê-lo. Cara de paisagem é aquela que não tem muito significado, que você pode usar para a maioria das ocasiões, principalmente em reuniões familiares.

Vexame


Ele chegou, tirou os tais documentos da pasta e estava me mostrando (com "X" a lápis) onde era que minha mãe tem que assina. De repente olhou para mim, já abaixando o óculos e fez a pergunta que me fez desabar completamente: "Você está bem?"

A pergunta errada, na hora errada. Sabe quando você está segurando, e ai vem um cidadão que você conhece a vida toda, mas faz tempo que não conversa e te faz exatamente essa maldita pergunta? Respondi que não e comecei a chorar. Desabei na cadeira e "falei, falei, falei"... chorei e reclamei de novo.

Deus, que tipo de cara tem um lenço Presidente hoje em dia no bolso do paletó? Caras que usam paletó? Ele ficou um tempão sentado do outro lado da mesa, apenas me observando chorar, prestando atenção nas minhas reclamações...

Eu precisava tanto de alguém para poder despejar esse sentimento que estava me sufocando, que mal percebi a fisionomia imparcial e aquele olhar frio dele para o meu lado. Quando eu percebi, já tinha contado tanta coisa, que fui ficando vermelho, vermelho, roxo... "EU SOU PATÉTICO!!!!"

"Você não é patético. É só um garoto carente, que se apegou na primeira pessoa que te deu um pouco mais de atenção."

Ninguém avisou para ele que isso é a definição de patético nessa história? Certo, fiquei mais lisonjeado pelo fato dele me chamar de "garoto", já que o Wise vira e mexe me chama de "tio".

No final, ficamos conversando até as quatro horas da madrugada. Falamos da vida dele, da minha e de algumas neuroses nossas, tudo acompanhado de café e cigarro. Acho que voltei mesmo a fumar...